Acordo de privacidade de dados entre EUA e Europa ainda sob pressão

O acordo foi selado em fevereiro deste ano, e ainda não é lei na Comunidade Europeia, mas as agências reguladoras começam a questioná-lo.

shutterstock_jannoon028_negocio_internacional_espionagemO acordo de privacidade de dados entre os Estados Unidos e a União Europeia, que tinha sido selado em fevereiro deste ano e que poderia ser sacramentado em uma nova legislação pela Comissão Europeia sofreu um recuo depois que 29 agentes reguladores, conhecidos como Working parties, manifestaram fortes preocupações sobre as informações que ficarão disponíveis aos Estados Unidos.

O acordo foi firmado para restabelecer uma forma para que as empresas norte-americanas de tecnologia, como o Facebook, por exemplo, possam transferir informações pessoais de europeus para os servidores instalados em solo norte-americano. O acordo que existia inicialmente, e que era usado por Google, por exemplo, foi considerado ilegal pela suprema corte europeia devido à vigilância norte-americana.

O acordo prevê, em síntese, que em troca de as companhias norte-americanas terem acesso às informações pessoais dos europeus, os Estados Unidos teriam que constituir um Ombudsman para acompanhar todas as denúncias sobre vigilâncias de europeus. O acordo, também conhecido como “Pacote de vigilância” também tem carta do diretor da CIA afirmando que a agência não faz “vigilância indiscriminada de ninguém”.

Mas agora, as agências, lideradas pela agência de proteção de dados da Alemanha estão revendo o acordo e alegando que a privacidade dos cidadãos europeus continuaria a ser afetada.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10576